Comece a pedalar

Você tem um diário de treino?

Publicado em 04/10/16

canela_diario_treino

Eu adoro anotar as coisas e quando a bike entrou na minha vida foi super natural começar a registrar tudo. Porque eu via que a bicicleta e os treinos me transformavam – e muito rápido. Com medo de não conseguir mais medir as mudanças e perder a referência desse aprendizado, eu comecei a anotar o que acontecia para poder ver essa mudança dali a um tempo. Não sabia, mas estava fazendo um diário de treino, uma prática bem comum.

E para que serve um diário de treino?

Fazer pequenas notas do que você sentiu e de quais foram as suas percepções durante o treino podem ampliar o seu entendimento sobre o seu avanço na bike. Antes de existirem ou de se popularizarem os aparelhos de medição que hoje se usa – frequência cardíaca, cadência, potência-, até os atletas de elite se baseavam na percepção de esforço para montar treinos e medir avanços e dificuldades. Existem métricas de avaliação e perceção de esforço.

Mas e para nós, meras atletas da ciclovia?

Em primeiro lugar, o registro pode mostrar como seu corpo reage a cada tipo de estímulo. Se fez um treino mais puxado, quais foram as reações? Quantos dias depois ainda se sentiu cansada? O que fez para recuperar?

Especialmente no início, cada evento será uma descoberta e ir anotando ajuda a compreender os padrões do seu próprio corpo.

Tomar nota do que acontece durante o treino e depois dele também pode ser muito revelador para quem está começando a pegar estrada. São muitas novidades que temos que gerenciar ao mesmo tempo, nem sempre a cabeça dá conta de processar tudo ali, na hora.

Para mulheres, o registro de treino faz ainda mais sentido quando contrapomos as atividades e as reações do corpo com os períodos do ciclo menstrual. Mesmo que nos dias mais duros a gente perceba isso na hora, anotar as sensações e quando elas acontecem vai te mostrar padrões muito claros de desempenho ao longo do mês. E além de servir de aprendizado e permitir que você use essas variações a seu favor, ajudará inclusive na hora de decidir se no fim de semana será dia de puxar loucamente na estrada ou se é melhor preferir um pedal mais moderado.

O que anotar no diário?

Nada muito complexo (ou o quão complexo você quiser). O interessante é anotar as informações que mais impactam no treino e no seu desenvolvimento. Horas de sono, duração e distância do treino, alguma alteração na alimentação, álcool, temperatura do dia, e o que mais quiser medir.

Pensando em algo bem DIY, você pode ser bem concisa e incluir não só dados objetivos, mas também suas percepções sobre o que ocorreu no treino. Aí algumas palavras bastam (me senti disposta, fiquei mais cansada, pernas estão pesadas, respiração curta, melhorei na segunda metade do treino, sofri nas subidas mas no plano estava bem).

Ou você pode se alongar mais e descrever outras coisas que envolvem seu aprendizado na bike (percebi que as partes mais difíceis do trajeto são x e y, porque me exigem mais z; ativei o abdome de outro jeito consegui e transferir mais força para as pernas, lembrar disso sempre; mudei a posição do pé no pedal, alterou a forma que eu subi).

Pense nas suas dificuldades e suas metas, elas podem ser um bom indicativo do que você quer registrar.

Como fazer o diário?

Para quem usa planilha de treino, anotar ao lado de cada treino, no excel mesmo, é um bom jeito de comparar intensidade e reações.

Se você usa um aplicativo de controle do ciclo menstrual ou faz um calendário lunar, dá para incluir notas no próprio calendário, isso te mostrará mais facilmente o impacto das alterações hormonais no seu treino e no seu corpo.

Para quem é nerd e se diverte criando agendas e listas, dá para acrescentar uma página de treino para cada mês. O jeito é fazer da forma que seja fácil para incluir as anotações, que já faça parte da sua rotina, mas também que já permita comparações. Isso ajuda muito quando você for analisar as anotações.