Cena

Canela: vídeo-manifesto

Publicado em 15/09/17

Já faz um ano que o Canela ajuda e inspira mulheres a pedalar, a encontrar sua independência, força e autonomia em cima de uma bicicleta.

Por aqui exploramos muitos horizontes: compartilhamos informações, descobrimos formas novas de ver nosso corpo, nos encontramos na estrada, conhecemos outras mulheres que, como nós, são apaixonadas pela bicicleta. E pedalamos, muito.

Mas ainda somos poucas.

Por isso, depois de um ano tão intenso, chegou a hora de olhar para tudo isso e fazer um balanço. Afinal, por quê pedalamos?

A pergunta virou o mote do nosso vídeo-manifesto.

Uma criação a muitas mãos (e pernas!), ele foi idealizado por Adriana Vojvodic e pelo fotógrafo Diego Cagnato, que produziu o vídeo.

Com a participação das super parceiras e ciclistas Ana Paula Polegatch, Diana Assennato, Erica Harumi e Laila Rodrigues. A trilha feita especialmente pelo Bruno Motta, que fecha esse time de parceiros. A todos, temos tanto a agradecer!

Queremos que esse vídeo seja não só uma comemoração, mas também uma inspiração para outras mulheres.

Pois subir na bicicleta e pedalar pode ser transformador, basta você deixar.

 

///As razões pelas quais eu sou quem eu sou ///

 

Aqui eu coloco horas preciosas da minha vida

Um tempo que cada vez mais me parece caro

 

Abro mão de convites, encontros, amigos

E me pergunto por quê.

 

Me coloco em cada pedalada

Deixo de lado o turbilhão de pensamentos

E aterro no agora

 

Pode ser numa prova

Num treino duro

Num encontro de amigas

Pode ser nos caminhos de cada dia

 

E ali não existe nada entre mim e a bicicleta

 

E é nessa relação corpo-bicicleta que vou descobrindo o porquê de me ver sempre, a cada novo dia, frente a frente com a estrada.

 

Porque tudo começa no movimento

Porque aqui eu gero minha energia

Porque me descubro mais forte do que imagino

E meu corpo forte me ajuda a enfrentar meus medos, minhas inseguranças

 

Porque aqui vejo que eu sou o meu corpo

E aprendo a colocar limites.

Nos outros e em mim.

 

Porque lembro que é preciso respirar.

Porque sinto o quanto suar é libertador.

Porque aprendo que posso me reinventar.

 

Porque passo a ousar ir além.

E posso ir sozinha,

Ou levando outras comigo.