Cena

Primeiro de Maio, 2017

Publicado em 02/05/17

A equipe antes da prova

Por Gisele Gasparotto

Nesta segunda-feira participei do GP 1º de Maio, que acontece todos os anos em Indaiatuba. Há uma unanimidade no pelotão sobre a dificuldade desta prova. Mesmo as ciclistas mais experientes concordam que é uma das provas mais (se não a mais) difíceis no Brasil.

A prova acontece em torno do Parque Ecológico de Indaiatuba e o circuito tem 2,5km. Além da dificuldade de estarem as principais ciclistas do Brasil – o que já tornaria qualquer circuito difícil, o maior desafio está na subida que faz parte do circuito, de cerca de 300m. Esta subida parece inofensiva, porque não é tão inclinada (ela tem 5% inclinação média). Mas só parece fácil… Experimente subir ali 13 vezes (sim, 13 vezes) numa potência média entre 450w-500w. Como referência para quem não trabalha com potência, é como subir a uma média de 27 ou 28 km/h.

A intensidade torna essa subida insana. E logo depois dela, tem uma descida bem técnica e, se você conseguiu terminar a subida ainda com o pelotão mas tiver medo de descer em alta velocidade, ali você também poderá perder o pelotão.

Ufa… Passou a subida e a descida? Show ficou fácil agora… #sqn. Tem ataques no plano também, como não?

E se você conseguiu passar tudo isso na primeira volta, ótimo! Agora só falta você manter esse ritmo por mais 1 hora. Essa é a 1º de Maio!

Saindo um pouco dos números, tem muitas coisas que para mim, tornam essa prova especial. Primeiro o local do circuito. É uma cidade muito charmosa e o parque no meio dá um toque especial e bucólico para contrastar com o sofrimento de todos que ali passam. Outro atrativo é ter a possibilidade de ver de perto as equipes trabalhando, uma cobrindo a outra, uma protegendo a outra para um objetivo em grupo e não individual. A torcida também é um fator bem relevante. Como o circuito é relativamente pequeno, você ouve o tempo todo, em todos os pontos da prova alguém te incentivando, gritando seu nome, ou apenas dizendo: Vai, força! Não desiste! “

Largada masculina da 67 Prova Ciclística de Primeiro de Maio. Dia de sol de outono em volta do Parque em Indaiatuba // Foto: Gazeta Esportiva

Ou seja, todos ali se compadecem com a dor do outro e esses gritos de incentivo, ainda que você não esteja disputando um pódio, são fundamentais para manter sua gana e vontade de cruzar a linha de chegada.

Eu já participei de 6 edições desta prova, correndo desde 2012. Agora, fazendo parte da LuluFive Team, corremos novamente. Mas a equipe é nova, foi formada neste ano, então foi primeira vez que participamos juntas da prova Primeiro de Maio.

Lulufive Team participou pela primeira vez na prova

As outras meninas da equipe (Marcella Toldi, Camila Gianella e Erika Soares), que correram a prova pela primeira vez, ficaram com a mesma impressão. Prova nervosa, intensa, rápida e viciante. Todas saíram mais motivadas para treinar mais, individualmente e em equipe para que tenhamos resultados cada vez melhores.

Esse é o propósito de quem treinar pra competir, seja profissional ou não. Melhorar sempre! Sempre que me perguntam se vale à pena competir, eu digo: “Muito!” Porque numa competição você aprende e evolui como pessoa. Você aprende a ser humilde, aprende que ser competitivo não é uma característica ruim e aprende também a valorizar cada conquista.

Vencedor não é apenas o que sobe no pódio, vencedor é o que transpõe suas barreiras, seus medos, suas dificuldades e busca sempre o melhor.

Pódio feminino da prova // Foto: Brasil Pro Cycling

 

+ INFOS

A Prova Ciclística de Primeiro de Maio é uma das provas clássicas do ciclismo de estrada no Brasil. O pódio feminino da 67ª Prova Ciclística de Primeiro de Maio foi assim:

#1 Wellyda Rodrigues (Funvic Brasil ProCycling/São José dos Campos)
#2 Ana Paula Polegatch (Memorial/Fupes/Santos)
#3 Tatielle Valadares (Funvic Brasil ProCycling/São José dos Campos)
#4 Camila Coelho Ferreira (Memorial/Fupes/Santos)
#5 Luciene Ferreira da Silva (Funvic Brasil ProCycling/São José dos Campos)

Para mais informações sobre esta prova, veja no site da Federação Paulista de Ciclismo.