Cena

Desacelere e ouça seu corpo

Publicado em 10/04/17

Foto: Diego Cagnato

O documentário Minimalism (finalmente no Netflix!) fala de um movimento bem crescente de questionamento dos valores tradicionais de consumo e materialismo da nossa sociedade. E quando estava assistindo, recentemente, uma das falas me chamou atenção: “Não ouço nem a minha família, como vou ouvir o meu corpo?”

A personagem falava da mudança que teve na sua vida depois que foi diagnosticada com esclerose múltipla. Para poder controlar o desenvolvimento da doença, ela teve que começar – ou aprender – a ouvir seu corpo.

E por que tantas vezes nos deparamos com essa surpresa? Ouvir quem? Corpo? Ah tá. Se ele não dói está tudo bem, não?

Nessa rotina tão corrida e cheia de distrações, cadê o espaço para ouvir nosso corpo?

Nunca fomos tão dependentes de uma agenda cheia, mas ao mesmo tempo raramente nos dedicamos a fazer apenas uma coisa de cada vez.

Tantas regras do que fazer, do como agir, choosing life e consumindo doses diárias de dopamina cada vez que recebemos um like em uma foto no Instagram.

Talvez por isso, num treino recente com uma amiga que está começando, eu não tenha entendido bem o que ela disse. Enquanto eu apertava cada vez mais o passo, ela me disse que se sentia bem, que treinando sua cabeça ficava em paz.

Eu pensei comigo que se ela está em paz e com fôlego para me falar isso, está na hora de puxar mais.

Mas a verdade é que sei que cada treino que faço, cada dia que saio para pedalar, eu promovo uma quebra no meu fluxo de pensamentos. Coloco meu corpo em primeiro lugar e forço toda a energia a se concentrar em outras coisas e não mais no meu looping mental que cresce em espiral a cada momento.

Cada vez que eu treino, acelero na bike, forço uma subida, eu desacelero internamente. Sinto meu corpo reagir, meu abdômen fazendo a força e colocando ordem nesse caos mental.

Nesse tempo meio confuso dos rumos que esse mundo acelerado está nos levando, parece que o movimento nos leva para o lado oposto e tão necessário, uma calma lá dentro.