Cena

Adventure Syndicate: mulheres de longa e ultra distâncias

Publicado em 11/03/17
canela-adventuresynd-01

Lee e Rickie: Adventure Syndicate

Por: Nara Ishikawa

Sigo a Emily Chappel desde que eu comecei a pedalar. Bike Messengers sempre me intrigaram, o jeito que vestem, o quanto carregam, suas fixas, seus estilos, suas habilidade em duas rodas costurando a lataria fumacenta de cidades grandes. Li o livro dela e adorei ter uma perspectiva daquelas vidas misteriosas.  

Sem saber que ela se interessava por longa distância também (e que esse seria em breve seu próximo passo na vida sobre duas rodas) eu já era apaixonada pela ideia romântica da Transcontinental Race.

2015 foi quando a Emily participou de seu primeiro Transcontinental Race. Sua primeira prova de ultra ciclismo. Depois de ter sentido a dureza da prova e não ter completado, em 2016 ela voltou e não só completou como foi primeira mulher a cruzar a linha final.  

O Adventure Syndicate é um grupo de de talentosas ciclistas que querem desafiar o que as pessoas acreditam que são capaz. A Emily, a Lee e a Rickie fazem parte dele. Em Bristol, no café “Roll for the Soul” onde rolou uma palestra super informal com a presença das três.

canela-adventuresynd_02

Joining the Dots, livro lançado por Lee Craigie

Eu adorei a noite então quero compartilhar um pouco os temas e pontos que foram abordados, sobre pedais de longa ou ultra-distância.

#1 Como treinar sua mente

Elas explicaram que o mais importante é treinar a mente pois o corpo é treinado pelo ato de sair e pedalar, simples. A mente é mais complicado. A mente traz limites e se você permitir te leva num buraco onde a desistência da prova é o fundo do poço.

Para treinar a mente, é necessário observá-la. Cada pessoa é diferente então saber como a sua mente funciona é super importante. Emily deu o exemplo dela mesma – ela sabe que de manhã a mente dela é positiva então ela sabe que consegue fazer coisas mais intensas nesta hora e acumular uns bons kms. De tarde até escurecer já fica mais difícil, sua mente começa a ser mais negativa então ela vai mais tranquilo e é mais gentil consigo mesma. Quando fica escuro a mente dela tem outra boa onda e ela aproveita para forçar de novo.   

Sabendo os rítmos da sua mente você não é pego de surpresa e sabe como é o melhor jeito de lidar com cada momento.   

#2 Como se alimentar

Alimentação logicamente é super importante em pedais de longa distância, afinal o gasto de energia é enorme. Rickie disse que numa prova como a TCR a regra é- “peça tudo em dobro”.  Isso virou um pouco de uma piada interna e no TCR de 2016 tem algumas fotos da Emily com dois bolos, dois cafés, duas pizzas… As duas pizzas a Emily não conseguiu terminar, embalou e levou consigo. Meia hora depois ela matou o que faltava.

Comer constantemente durante o pedal é bom, pois assim o corpo se acostuma com a constante tarefa de digestão e não deixa seus níveis de energia (açúcar) no sangue cairem muito.  É muito difícil comer o suficiente apenas nas paradas para reabastecer tudo o que se perde.  Pedalar com a barriga muito cheia pode ser incômodo.

É melhor optar por comidas de verdade sempre, a Emily disse que chegando na reta final ela estava cheia de ulceras na boca de tanta porcaria que ela comeu. Comidas de verdade te garantem menos problemas digestivos também, o que é tempo valioso em prova conta o relógio.

A Lee, em suas aventuras (não competitivas) sempre leva seu fogão pessoal, que é do tamanho de uma latinha de coca-cola. Ela chama de “fogão anti-social” porquê da só pra ela mesmo.  Com o fogãozinho ela pode cozinhar couz-couz com legumes, que ela sente que ela se da bem então é seu prato preferido na maioria das vezes.

De novo, como conhecer a mente, para a alimentação temos q experimentar o que nos sentimos melhor. Cada corpo e diferente. A Juliana Buhring, que é amiga de Emily e também faz ultra ciclismo é adepta de uma dieta ketogenica, que força o corpo a queimar primeiramente gordura e não carboidratos. Já para as outras, nenhuma sente que essa seria uma dieta que elas gostariam de utilizar.

A parte da alimentação que não se pode brincar é a hidratação. Sempre, sempre se hidrate. 2-3 garrafas de 750ml geralmente são o suficiente para cada trecho da TCR entre paradas para re-abastecer mas isso depende muito de quantos kms vc esta fazendo por dia, quantos postos existem por perto, etc. É essencial planejar para ter certeza que você não vai passar sede nunca.

canela-adventuresynd-03

Emily Chappel

#3 Como arrumar suas malas na bicicleta

Para corridas como o TCR que é totalmente cada um por si é importante ter tudo o que se precisa para sobreviver e navegar todos os dias até a linha de chegada, mas ao mesmo tempo quanto menos melhor pois o peso que você carrega também te desfavorece já que se gasta muita energia para se impulsionar para frente.

Como os pontos anteriores, a exata configuração de como você faz suas malas e o que você leva é pessoal. Mas as dicas das meninas são senso comum: coloque as coisas que você mais precisa durante o pedal em uma posição fácil de acessar. As coisas q você menos precisa podem ficar nas partes da malas menos acessíveis, como seu saco de dormir por exemplo.

#4 Como Navegar

O melhor instrumento de navegação que temos hoje em dia são os dos carros mas infelizmente ainda não o fazem  portátil o suficiente para carregar na bicicleta. O segundo melhor, é o Garmin. Mas como não é sem seus defeitos e ter um plano B e um plano C são essenciais. Tem aplicativos que podem ser colocados num smart phone que funcionam sem internet. Ter imagens do mapa e sua rota no celular e um mapa old school no bolso também pode salvar vidas! 

Hoje em dia o Dynamo é um investimento valioso, para manter suas luzes e seu equipamento com energia. Ele cria um pouco de resistência ao pedalar (±5%) mas vale a pena considerando que você pode ser pega de surpresa sem conseguir ir a lugar algum por não ter mais sua rota, celular e luz!

canela-adventuresynd-04

O negócio é se jogar, experimentar, se conhecer e aprender o que mais funciona para você!  Sempre ter planos B, C e D para poder reagir sem muita dificuldade aos imprevistos que, uma hora ou outra vão acontecer!

O lema do Adventure Syndicate é “você é capaz de muito mais do que vc acredita que é!” então vai lá e faça.

Bom pedal e como Eddy Merckx dizia “Pedale o quão pouco ou muito, tão longo ou curto quanto quiser, mas pedale.”

Let me tell you what I think of bicycling. I think it has done more to emancipate women than anything else in the world. It gives women a feeling of freedom and self—reliance. I stand and rejoice every time I see a woman ride by on a wheel…the picture of free, untrammeled womanhood.
Susan B. Anthony